Poluição e contribuições

Poluição e contribuições

No texto a seguir você irá se deparar com índices, casos e informações sobre alguns casos de como prossegue a poluição na Terra, e dicas de como ajudar a tornar, por meio do descarte correto dos resíduos sólidos, um planeta mais sustentável e menos poluído.

De acordo com o WWF, tendo sua tradução como “Fundo Mundial para a Natureza”, o Brasil é o 4° país do mundo que mais produz lixo. Em base de dados da Agência Brasil, em 2018, foram gerados 79 milhões de toneladas de resíduos sólidos. Estimativas de pesquisas dizem que por volta de 2030, o país chegará a produzir em torno de 100 milhões.

O site G1 evidenciou que após o Réveillon de 2020, a Comlurb recolheu mais de 350 toneladas de lixo da praia de Copacabana. Já o carnaval desse mesmo ano atingiu cerca de 300 toneladas de lixo recolhido das vias públicas.

Em 2012, 1.500 toneladas de pilhas e baterias, 130 toneladas de eletroeletrônicos e milhares de embalagens foram coletadas. Números como esses são preocupantes, pois caso esses resíduos, assim como qualquer outro, forem descartados incorretamente, podem causar danos ao solo e a água.

Exemplos simples do cotidiano que é de fácil visualização do quão prejudicial pode ser o excesso de resíduo, é o mau descarte do lixo que são notados pela atração de baratas, ratos e mosquitos, transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya. Assim como enchentes, inundações e doenças sérias como leptospirose e peste bubônica.

Contudo, pode-se ajudar a reverter esse quadro através da Coleta Seletiva, que nada mais é que a separação adequada dos resíduos para seu melhor recolhimento e destinação final.

O “Acondicionamento”, nome dado a divisão, de acordo com o MMA (Ministério do Meio Ambiente), é realizado separando Resíduos Recicláveis (garrafas PET, latas, vidros, plásticos, jornais, folhas de caderno, entre outros), Resíduos Orgânicos (sobras de alimentos e cascas de frutas) e Rejeitos (camisinha, absorvente, papel higiênico, fralda, guardanapos, bitucas de cigarro, entre outros).

Logo após, é a hora da Coleta ser feita, tendo seu recolhimento podendo ser realizado de três formas:  A primeira, através de caminhão ou outro veículo que passe em frente à residência/comércio cumprindo-se a coleta. A segunda, por meio da “Entrega Voluntária”, em  locais que estão situados estrategicamente recebem o lixo levado pelo cidadão (podem ser encontrados na internet). E a terceira, através do aplicativo “cataki”, no qual você entrará em contato com um catador que esteja mais próximo para que ele possa vir recolher.

Lembrando que além de todo material reciclável ser embalado em sacolas plásticas transparentes é necessário que haja uma rápida lavagem e secagem para garantir sua qualidade e maior valor de mercado.

Conforme o MMA, 80% do lixo encontrado no mar vem de fontes terrenas, aonde mais de 8 milhões de toneladas chegam anualmente. Em média, no Rio de Janeiro, a quantidade de lixo abandonada no litoral é de 190 toneladas por dia. Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), se nada for feito, até 2050 haverá mais fragmentos de plásticos nos mares e oceanos que animais marinhos.

“Combate ao lixo no mar”, projeto criado pelo MMA, conta com milhares de voluntários para mutirões de limpeza pelas praias do Brasil. Já foram 140 mutirões que contaram com 25 mil participantes, onde mais de 304 mil itens foram recolhidos tendo o peso total de 123,3 kg de lixo.

Um exemplo de ação antrópica sobre os oceanos é o derramamento de petróleo que, causado por acidente de navios petroleiros ou problemas na plataforma, contaminam a água além de gerar uma película que impede a penetração da luz solar na água inviabilizando a realização de fotossíntese da flora marinha.

Segundo a Revista Galileu, já foi encontrado plástico em bebidas, comidas e até fezes humanas.

Numeráveis espécies ingerem resíduos, pois ao confundi-los com alimentos ficam com seus aparelhos digestivos recheados de lixo, podendo afetar, então, diretamente a vida humana, devido a Magnificação Trófica – a substância ingerida pelo consumidor primário, geralmente metais peados,  acumula-se em seu corpo – aumentando a concentração ao longo da cadeia trófica.

DICAS:

– Dê novos usos para os materiais;
– Substitua seus boletos e outras; correspondências de papel pelos enviados por e-mail;
– Utilize ecobag ao invés de sacolas plásticas;
– Ao sair de casa, leve um copo ou garrafa;
– Não use talheres nem canudos descartáveis de plástico;
– Organize um mutirão de limpeza na praia;
– Descarte a bituca de cigarro em local adequado;
– Compre menos.

E lembre-se: “JOGUE LIXO NO LIXO!”.

Guilherme Berti

Share